Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades:

 



O   Cortiço

Projeto  “ Livro Vivo  “  da  Companhia Ägata de Artes .

Literatura  obrigatória para exames da Fuvest 

A adaptação do romance, em nossa visão  girará  em  torno  da  personagem João Romão, que melhor  espelha  a influência  da  ambição , do materialismo e da exploração humana .
Os demais conflitos  irão  completar  essa visão , tendo como moldura o  coro  das lavadeiras, que, semelhante  ao  coro  da tragédia  grega  terão a função  de  comentar  os  episódios, ao  mesmo  tempo que afirmarão o poder  feminino da sedução, transformação e da contestação .
O  início :  João Romão herda de forma não natural, o poder  comercial  de seu antigo patrão e e a partir daí chega ao ponto de   sacrificar seu próprio bem estar para acumular  dinheiro. Não distante  disso, exerce  ainda poder  de domínio e exploração dos mais fracos,  através da personagem Bertoleza .

Outros personagens de destaque, vem contradizer ou afirmar  a figura de João Romão e os conceitos que ele representa  : 
Rita  Baiana , ao contrário do nosso protagonista, esbanja carisma e sedução , tendo o dinheiro apenas como um passaporte para melhor desfrutar  a vida . Cheia de  furor  sexual, encontra  em  Firmo  uma cumplicidade  para seus  instintos, mas  é em  Jerônimo  que  se realiza  como  mulher,  sentindo prazer  em ser submissa a um  homem,  de raça  superior .

Miranda , representa o homem que  já conquistou bens e, mesmo com suas conquistas, não atinge a felicidade  pessoal,nem mesmo  a fidelidade de sua  esposa Estela possi, necessitando cada vez  mais  fortalecer sua imagem pública para aparentar  uma vida realizada, cheia de convenções .
Se  o  poder material  não  é  atingido, muitos se valem da amoralidade, para  apenas  viver,  sem questionar  muito  o sentido da própria vida como o faz , Botelho .

Jerônimo, vem destruir  essas mesmas convenções  e abrir-se ao amor livre, a felicidade plena, mas sem pensar muito  nas consequências.  O ciúme que este causa  em  Piedade, nada mais é, que a própria incapacidade desta  em  se adaptar  a  uma  nova  forma de vida e reconhecer  seus  próprios  méritos  femininos .

Na ala jovem  Pombinha , Henrique  e Florinda , trazem a descoberta  sexual  e homossexual  Henrique,  causa  o desejo de aventura  em  Estela,  Pombinha e  Florinda a  incompreensão  dos próprios preconceitos e  tradições  presente  em Dona Isabel   e Marciana .

Se  os  homens se envaidecem de poder,  o poder das  mulheres  está  confirmada na sedução,  que chegam  a ser capaz de usar o homem  como  um instrumento para  uma nova  vida como  fez  Leocádia .
Condensando  toda decadência humana que o romance nos propõe, temos a figura do mendigo Libório , que consegue  causar  repugnância  entre  os moradores do Cortiço São Romão .

Em  um  cenário  tão brasileiro, não nos poderia  faltar  a fé e a religião , representadas pelos rituais, cartas  e simpatias  da Bruxa .
Nos  conduzindo pela aventura de  “ O  Cortiço “ temos  a figura  solene do  narrador, tal  qual  um  mestre  de cerimônias,  nos  conduz  pelos  diálogos  e cenas salpicadas  de música, capoeira, drama  e comédia  que  essa  obra-prima de Aluisio  Azevedo  nos propõe .


Direção e Adaptção  :  Silvio  Tadeu
Assistentes de Direção : Fábio Scheibe e Milton Ostronoff
Cenários :  Ronaldo de Lima
Coreografia Lavadeiras : Eduardo Mafalda

Narrador  - Milton Ostronoff
João  Romão  -   Edivaldo Gomes
Bertoleza/Leocádia – Beth  Santos   
Músico/Cantor   -  Eduardo Mafalda
Miranda/Jerônimo  - Caio  Pimenta
Estela/Marciana   -  Ju Camata
Leonie - Laureen Wolf
Botelho -  José Luiz Gaeta
Rita  Baiana  - Gigi Santos
Bruno/Domingos – Francisco Alves
Piedade  - Helena  Gomes
Firmo – Eduardo Silva
Henrique  - Henrique Possetti
Pombinha/Florinda  -   Tamara Ostronoff
D. Isabel / Machona  -  Ifigênia  Armendani 
Bruxa  -  Delta de  Negreiros 
Libório  -  Alessandro  Colucci


ESTRÉIA :  DIA  08/04/2.018
TEATRO  UMC
 





 




 




 




 

Ingressos Antecipados